loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Câmara compra sede do SC Vianense para 'resgatar' património de penhora

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Facebook

Outras Notícias

Sondagem

Frederico Varandas deve pedir a demissão de presidente do Sporting?

O presidente da Câmara de Viana do Castelo vai formalizar, na próxima semana, uma proposta de compra da sede do Sport Clube Vianense para "resgatar" aquele património da venda, em hasta pública.
Câmara compra sede do SC Vianense para 'resgatar' património de penhora

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, disse hoje que os "princípios do acordo tripartido, entre a autarquia, a direção do clube centenário e a instituição bancária [que lançou o processo de execução] estão definidos", apontando a próxima semana como prazo para oficializar a intenção de compra do imóvel.

"Estamos a ultimar os pormenores do acordo, sendo que a instituição bancária vai ficar com a dívida resolvida. A proposta de compra vai ser formalizada no decurso da próxima semana. O importante era resgatar e salvar o património do clube, que corria o risco de se perder. Queremos preservar a memória de um clube centenário", afirmou José Maria Costa.

O anúncio da aquisição do imóvel foi feito hoje pelo autarca de Viana do Castelo durante a sessão solene comemorativa dos 118 anos do Sport Clube Vianense.

A hasta pública para a venda de vários imóveis do Sport Clube Vianense ocorreu no início de fevereiro no âmbito de uma execução lançada por uma instituição bancária que reclama o pagamento de um empréstimo, em atraso.

Em causa está um empréstimo de 286 mil euros (acrescido de juros), contraído pela direção do Vianense em 2011, mas cujas prestações mensais, devido às conhecidas dificuldades financeiras do centenário clube de Viana do Castelo, estão em atraso desde novembro de 2014.

O procedimento, que decorreu no dia 23 de fevereiro, ficou deserto, sem que tivesse sido apresentada qualquer proposta de compra.

À Lusa, o autarca socialista da capital do Alto Minho adiantou que após a compra do edifício irá ceder o imóvel ao clube "através da celebração de um contrato de comodato por 50 anos, renovável por mais 50 anos e assim sucessivamente".

Antes, José Maria Costa revelou que a autarquia "irá incluir a reabilitação do edifício na candidatura que o município apresentou aos fundos comunitários do Portugal 2020, no âmbito da regeneração urbana".

"A sede do Sport Clube Vianense está em muito mau estado de conservação e precisa de uma intervenção urgente. Vamos preparar o projeto de reabilitação urbana para realizar as obras necessárias", disse.

José Maria Costa sublinhou que a autarquia "tem vindo a acompanhar a situação do clube centenário com muita preocupação" e apelou "à sociedade civil e aos empresários da cidade que se juntem à atual direção para salvar o clube".

"É preciso que todos se juntem em torno do clube para que no Vianense se deixe de falar em crise e se comece a falar de esperança", desafiou.

A dívida global do clube ascende a mais de 700 mil euros.

Em comunicado, em fevereiro passado, os atuais dirigentes do clube, eleitos em outubro de 2015, esclareceram que este processo, "interposto pela Caixa de Crédito Agrícola, que culminou na penhora e execução de imóveis, decorre do não cumprimento das condições do empréstimo contraído pelo clube junto daquela instituição bancária".

Explicaram que a dívida se prende com um empréstimo de 300 mil euros (acrescido de juros), contraído pela direção do Vianense em 2010, "para reestruturação de dívidas", mas cujas prestações mensais, devido às dificuldades financeiras do clube de Viana do Castelo, estão em atraso desde novembro de 2014.

Além daquele empréstimo, "em agosto de 2012" foi contraído outro de "26 mil euros", para "fundo de maneio".

"A dívida total, incluindo capital, prestações em atraso e juros de mora, ascendia, em novembro de 2014 a 328.946 euros", adiantaram.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Na Primeira Página

Pode gostar de ler