loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

«Já não vou àquele estádio há alguns anos e a relva condiciona muito o jogo»

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Facebook

Outras Notícias

Sondagem

Quem tem o calendário mais difícil até final da temporada?

O técnico do Boavista, Jorge Simão, fez hoje a antevisão à deslocação ao terreno do Santa Clara, considerando que se trata de um jogo de grau máximo de dificuldade.
«Já não vou àquele estádio há alguns anos e a relva condiciona muito o jogo»

''Em termos de escala gradativa de dificuldade, de zero a dez, todas as equipas estão no dez", salientou Jorge Simão, na antevisão desse jogo, o segundo consecutivo que os ‘axadrezados’ disputarão fora, depois do empate (1-1) com o Feirense.

O Santa Clara e o Feirense têm em comum "a combatividade e a capacidade aguerrida para poder disputar lances", mas o conjunto açoriano tem "uma dinâmica de jogo diferente e jogadores de características muito diferentes".

"Já não vou àquele estádio há alguns anos e a relva condiciona muito o jogo, assim como o próprio público. No jogo com o Sporting de Braga (3-3) senti o empolgamento que vem de fora. Senti que quando eles fizeram o primeiro golo e o segundo havia uma onda galvanizadora para os jogadores. Mentalmente, temos de estar preparados", vincou.

Jorge Simão afirmou ainda que as apostas, que diz consultar sempre na véspera dos jogos da sua equipa, indicam, desta vez, que o "favoritismo é do Santa Clara, sem dúvida".

"A vitória do Boavista rende mais dinheiro do que a vitória do Santa Clara", reforçou, acrescentando, porém, que o Boavista reúne "condições para ir lá ganhar".

Na sequência da derrota caseira diante do Benfica (2-0), o treinador boavisteiro declarou-se surpreso com as 21 faltas que os ‘encarnados’ fizeram, contra 12 da sua equipa, mas com o Feirense foi o Boavista quem fez mais faltas (25 contra 15).

"Falei sobre as faltas após o jogo com o Benfica não pelo seu número, mas pela sua qualidade, pelo momento em que foram feitas e pela zona onde aconteceram, porque isso faz toda a diferença. O Benfica fez muitas faltas que nos impediram de atacar, foi isso que diz dizer ", argumentou.

Para Jorge Simão, "não é normal o Benfica fazer quase o dobro das faltas do adversário".

No Feirense, em sua opinião, o Boavista exagerou tanto no número como na qualidade das faltas cometidas. "Houve muitos momentos em que não deveríamos ter efetuado faltas e fizemo-las, o que também tem a ver com a tomada de decisão do árbitro".

O treinador disse que "os jogadores sentem a forma como o jogo está a ser conduzido pela equipa de arbitragem e sentem que se sofrerem um toquezinho e caírem o árbitro marca, pelo que esse comportamento passa a ser repetido durante o jogo".

Em contrapartida, sustentou, "se sentem que o critério está a ser mais largo, e é o que defendo, percebem que com um toquezinho não podem cair, porque o árbitro não vai marcar falta".

Programa da jornada:

Sexta-feira, 31 de Agosto de 2018
Desp. Chaves - Sp. Braga, 0 - 1
V. Guimarães - Tondela, 1 - 0

Sábado, 1 de Setembro de 2018
Belenenses SAD - V. Setúbal, 0 - 0
Santa Clara - Boavista, 4 - 2
Sporting - Feirense, 1 - 0

Domingo, 2 de Setembro de 2018
Rio Ave - Portimonense, 2 - 1
Desp. Aves - Marítimo, 0 - 1
Nacional - Benfica, 0 - 4
FC Porto - Moreirense, 3 - 0

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Comentários

Na Primeira Página

Pode gostar de ler