loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Rui Costa sobre CR7: «Tínhamos vergonha de o imitar e íamos treinar às escondidas»

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Facebook

Outras Notícias

Sondagem

Quem tem o adversário mais acessível nas competições europeias?

O lançamento do livro «Duelo Nunca Visto», de Luís Miguel Pereira e Luciano Wernicke, apresentado em Carnaxide, contou com a presença do antigo internacional português Rui Costa, que recordou os tempos em que vestiu a camisola da seleção das «quinas» juntamente com Cristiano Ronaldo.
Rui Costa sobre CR7: «Tínhamos vergonha de o imitar e íamos treinar às escondidas»

«Tive o privilégio de jogar com o Cristiano Ronaldo quando estava a crescer no futebol. Ele aparece na campanha de 2004 que coincide, por sinal, com a minha despedida da seleção. Ronaldo era o mais novo de todos, mas sempre se integrou bem e em cada treino de manhã tinha uma nova finta para nos mostrar. A verdade é que tínhamos vergonha de o imitar no treino e íamos treinar às escondidas [risos]. À noite, no jantar, lá vinha ele falar dos dribles e nós a borrifar-nos para os dribles dele: queríamos era explicar que o importante era contribuir para a equipa. Mas a verdade é que quando ele não estava, e em conversa de grupo, dizíamos que iria ser Bola de Ouro. Pela forma como trabalhava, o talento todo, não havia dúvida para mim, para o Fernando Couto, Pauleta, Nuno Gomes, para todos os jogadores mais velhos e experientes», revelou.

«Fazíamos sprints nos treinos e ele chegava a pôr pesos nos pés. Dizíamos para ele tirar aquilo para não ficarmos mal vistos. Sentíamos mesmo que estava ali um atleta com uma abnegação fora do normal que tinha, na cabeça e nos pés, a ideia que iria ser o melhor. Felizmente para todos, isso aconteceu», prosseguiu.

Rui Costa falou também sobre a rivalidade do avançado da Juventus com o argentino do FC Barcelona, Lionel Messi, defendendo que ambos «ajudaram-se mutuamente» a crescer e a evoluir, apesar de terem representado equipas rivais.

«Calharam na mesma geração, no mesmo campeonato e em equipas diferentes e rivais em campo, o que fez com que um nunca pudesse baixar a guarda porque estava lá o outro para lhe roubar a Bola de Ouro. E não é por acaso que eles a ganharam nestes últimos dez anos. A novidade é que, este ano, foi outro atleta a ganhá-la», completou o atual dirigente do Benfica.

Siga-nos no Facebook, no Google+ e no Twitter.

Relacionadas

Comentários

Na Primeira Página

Pode gostar de ler