loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Material do Trofense penhorado pelo fisco por seis prestações em atraso do PER

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Facebook

Outras Notícias

Sondagem

Quem precisa de mais reforços para a próxima época?

O presidente do Trofense, Franco Couto, desdramatizou esta quinta-feira os efeitos da penhora efetuada pela Autoridade Tributária após ter sido verificado o incumprimento de seis prestações do Plano Especial de Recuperação e do Plano de Insolvência.
Material do Trofense penhorado pelo fisco por seis prestações em atraso do PER

Em declarações à Lusa, o dirigente do clube do Campeonato de Portugal de futebol, confirmou a visita dos agentes fiscais, na terça-feira, ao estádio, bem como os seis meses de mensalidades em atraso, justificando-o por "não haver dinheiro para tudo".

"Eles foram confirmar a penhora feita em 2012, os pertences continuam lá", afirmou o dirigente, não se pronunciando sobre a penhora das taças e material informático, que uma fonte do clube deu conta à Lusa.

O Trofense foi declarado em novembro de 2006 insolvente pelo Tribunal de Santo Tirso, e tem 13 anos para pagar cerca de 1,5 milhões de euros, reagindo o clube com a entrega de um PER.

O crédito reclamado ultrapassa os 7,86 milhões de euros (ME), 73% dos quais em nome individual ou através de empresas relacionadas com a sua família, pelo antigo presidente, Rui Silva, dirigente que liderava o clube na época em que este militou no escalão principal do futebol português.

Obrigado, desde então, a pagar 150 prestações, "de 2.800 euros mais 6.000 euros mensais", segundo Franco Couto, por dividas do clube e da Sociedade Unipessoal por Quotas (SDUQ), o não pagamento nos últimos seis meses desses valores determinou a visita dos agentes fiscais.

Decorrente disto, ainda segundo a mesma fonte, "o clube e a SDUQ têm, a partir de terça-feira, a obrigação de saldar tudo de uma vez só", situação que o presidente do Trofense diz "só poder pagar assim que for constituída a SAD".

"Estamos à espera de uma assembleia geral para constituir uma SAD e quando assim for, a dívida de dois milhões será saldada", acrescentou o presidente do clube que revelou "haver um investidor interessado".

O dirigente reconheceu também uma dívida de 45 mil euros de IVA, pela transferência de Carter para o Benfica, afirmando ter agendada uma reunião nas Finanças para a próxima semana "onde será paga metade da dívida e agendado o resto para um mês depois".

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Comentários

Na Primeira Página

Pode gostar de ler