loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Euro 2020: Portugal joga no estádio mais moderno e num dos grupos menos afastados

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Facebook

Outras Notícias

Sondagem

Frederico Varandas deve pedir a demissão de presidente do Sporting?

A seleção portuguesa, incluída no grupo F do Euro 2020 com Alemanha, França e um adversário proveniente dos 'play-offs', vai iniciar a defesa do título entre a capital húngara Budapeste e cidade germânica de Munique.
Euro 2020: Portugal joga no estádio mais moderno e num dos grupos menos afastados

O sorteio realizado hoje em Bucareste, agendou a estreia da equipa das 'quinas' para 16 de junho, no moderno Estádio Ferenc Puskás, diante do vencedor do 'play-off' entre Islândia, Roménia, Bulgária e Hungria, que será conhecido três meses antes.

Em caso de vitória, os romenos transitam para o grupo C, que inclui Ucrânia, Holanda e Áustria e reparte os jogos entre Bucareste e Amesterdão, abrindo uma vaga no agrupamento de Portugal para Geórgia, Macedónia do Norte, Kosovo ou Bielorrússia.

Os campeões europeus regressam à Hungria para terminar a fase de grupos frente à campeã mundial França, em 24 de junho, quatro dias depois de enfrentarem a Alemanha na Arena de Munique, numa edição que decorrerá de forma inédita em mais de dois países.

Com 68.000 lugares sentados, o Estádio Ferenc Puskás foi erguido no local do antigo Népstadion, inaugurado em 1953, demolido em outubro de 2016 e rebatizado em 2001 para homenagear o maior futebolista da história da Hungria e um dos melhores de todos os tempos.

Orçado em 610 milhões de euros (ME), a nova casa da seleção magiar foi inaugurada em 15 de novembro e vai receber quatro encontros do Euro2020, distando quatro quilómetros do centro da capital húngara, que albergará uma 'fan zone' na Praça dos Heróis.

Cidade boémia, tantas vezes destruída e renascida, Budapeste reúne quase 1,8 milhões de pessoas e locais reconhecidos como Património Mundial da UNESCO desde 1987, dos quais sobressai o Castelo de Buda, situado nas margens do rio Danúbio.

A seleção portuguesa tem boas memórias da sexta maior cidade da União Europeia, pois venceu os três embates oficiais disputados com a Hungria em Budapeste, nos apuramentos para o Euro2000 (3-1) e para os Mundiais de 2010 e 2018 (ambos por 1-0).

Budapeste fica a 562.000 quilómetros de Munique, constituindo o segundo grupo com menos distância entre as duas cidades-sede, apenas ultrapassado pelos 543.000 que separam Londres e Glasgow, duas capitais de nações constituintes do Reino Unido.

Dotada de painéis exteriores que brilham em múltiplas cores, a Arena de Munique pode sentar até 70.000 adeptos e foi concluída em abril de 2005, a tempo de acolher seis duelos do Campeonato do Mundo de 2006, incluindo a meia-final entre Portugal e França (1-0), decidida com uma grande penalidade de Zinédine Zidane.

O segundo maior recinto futebolístico da Alemanha foi partilhado por dois clubes locais até julho de 2017, quando o 1860 Munique rescindiu o contrato de aluguel e tornou como único inquilino o Bayern de Munique, derrotado em casa na final da Liga dos Campeões de 2011/12 pelo Chelsea de Hilário, Bosingwa, Paulo Ferreira e Raúl Meireles.

Projeto do escritório suíço Herzog & de Meuron e com um custo de 340 ME, a Arena de Munique vai albergar quatro jogos do Euro2020 e fica a 10 quilómetros do centro da cidade, cuja 'fan zone' será instalada no Parque Olímpico.

A capital do estado da Baviera supera o milhão e meio de pessoas, atrai turistas através da reconhecida 'Oktoberfest' e chegou a hospedar os Jogos Olímpicos de 1972.

Portugal não divulgou o quartel-general a adotar durante o Euro2020, mas sabe de antemão que terá de percorrer 3.594 quilómetros entre Lisboa, Budapeste e Munique na primeira fase.

Caso as 'quinas' vençam o grupo F, o sucesso nas eliminatórias seguintes obrigará a deslocações para Bucareste, na Roménia, nos oitavos de final (644 quilómetros), São Petersburgo, na Rússia, nos quartos (1.747), e Londres, que acolhe os derradeiros desafios (2.100), perfazendo um total de 8.085 quilómetros.

O segundo lugar na 'poule' significará mais 1.894 quilómetros até Dublin, na República da Irlanda, aos quais se poderão acrescentar 1.886 até Roma, em Itália, e 1.436 até Londres, contabilizando 8.810 quilómetros.

Estando dependente do desempenho alheio, a terceira colocação também pode oferecer uma vaga na segunda fase, que transportará os portugueses para dois caminhos mais simpáticos: a rota Bilbau-Munique-Londres (7.534 quilómetros) ou o trajeto Budapeste-Baku-Londres (6.550).

No segundo Europeu consecutivo com 24 equipas, os dois primeiros classificados dos seis grupos e os quatro melhores terceiros seguem para os oitavos de final.

A fase final do Euro2020 realiza-se de 12 de junho a 12 de julho, em 12 cidades, de 12 países, com arranque no Estádio Olímpico de Roma e os encontros decisivos no Estádio de Wembley, em Londres, que será palco das meias-finais e da final.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Na Primeira Página

Pode gostar de ler