loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Vencer o Mundial de futebol de praia tornaria 2019 um «ano de sonho» - Madjer

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Facebook

Outras Notícias

Sondagem

Frederico Varandas deve pedir a demissão de presidente do Sporting?

Madjer assumiu hoje que conquistar, no domingo, o título mundial de futebol de praia frente à Itália, no Paraguai, tornará 2019 um «ano de sonho».
Vencer o Mundial de futebol de praia tornaria 2019 um «ano de sonho» - Madjer

“Está a ser um ano de sonho e, no domingo, pode ser o culminar do melhor de sempre. Melhor do que 2015 só este, porque conquistámos os Jogos Europeus e o campeonato da Europa. Agora o mundial… seria um ano de sonho, sem dúvida”, disse, ao canal 11.

O ‘capitão’ da equipa das 'quinas' ajudou a decidir no difícil triunfo sobre o Japão, no desempate por penáltis (2-1), após o 3-3 no final do tempo regulamentar e prolongamento, marcando o primeiro pontapé do 'tira-teimas'.

“Normalmente temos os batedores já definidos, independentemente de hoje ter pouca utilização e estar algo a frio. A confiança que transmitimos uns aos outros, mesmo em situações adversas, ajuda-nos a ter sucesso. Eu assumo sempre o primeiro penálti”, referiu.

Apesar dos problemas criados pelos nipónicos, que eram a única equipa só com vitórias na prova, Majder garante que a equipa estava “preparada para o que ia encontrar”.

“Uma seleção do Japão muito motivada, a querer fazer história. Muita gente não acreditava que o Japão chegava a esta fase, mas chegou e deu excelente réplica. Mas com esta família, com objetivos traçados e ambição máxima, todos no mesmo caminho, dificilmente somos batidos”, vincou.

Agora o importante é “descansar bem” e tentar “recuperar de um jogo com desgaste superior ao normal, devido às condições climatéricas”, referindo-se à chuva intensa que também afetou o triunfo da Itália sobre a Rússia, por 8-7 após prolongamento, depois do 7-7 final.

Aos 42 anos, deixará para o pós-mundial decidir sobre o fim da carreira, boa parte dela integrando um “grupo fantástico” na seleção que capitaneia.

Be Martins revelou-se “muito feliz por vencer um jogo muito duro e que o mau tempo equilibrou”, congratulando-se por marcar dois dos três golos de Portugal, sendo que o outro foi do seu irmão Leo.

“Só tenho de agradecer aos meus companheiros, dão-me confiança. O treinador e os meus companheiros sabem das minhas características e dão-me essa responsabilidade. Vamos, Portugal, vamos!”, concluiu.

Portugal, que procura o terceiro título, depois de 2001 e 2015, e Itália, que nunca venceu a competição, defrontam-se no domingo às 21:00, horas de Lisboa.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Na Primeira Página

Pode gostar de ler