loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Crónica: Rio Ave implacável quebra retoma do Desportivo das Aves

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Outras Notícias

Sondagem

Com a vitória do FC Porto frente ao Benfica o campeonato está relançado?

O Rio Ave abrilhantou hoje a melhor fase da temporada, ao golear na deslocação ao lanterna-vermelha Desportivo das Aves por 4-0, no encontro de encerramento da 20.ª jornada da I Liga de futebol.
Crónica: Rio Ave implacável quebra retoma do Desportivo das Aves

Na Vila das Aves, as grandes penalidades de Medhi Taremi e Diego Lopes (21 e 90+2 minutos), o autogolo de Bruno Morais (48) e o tento de Tarantini (76) fixaram o quarto triunfo vilacondense nas últimas cinco rondas e o regresso dos avenses às derrotas.

O Rio Ave ascendeu ao quinto posto, com 32 pontos, a dois do Sporting de Braga, quarto, e três do Sporting, terceiro, enquanto o Desportivo das Aves continua afundado no 18.º e último lugar, com 12, a quatro da ‘linha de água'.

Com duas formações fiéis aos seus princípios, os minutos iniciais trouxeram uma contenda dividida no meio-campo, em que os locais foram recorrendo ao contra-ataque para refrear a circulação paciente dos vila-condenses.

O momento alto deu-se aos 21 minutos, quando Mehdi Taremi bateu Beunardeau da marca de penálti, após ter sido derrubado por Bruno Morais, num lance que nasceu dos pés de Lucas Piazón e demorou quatro minutos a ser validado pelo videoárbitro (VAR).

O Aves ainda reajustou a defesa com três unidades, adiantando os laterais na esperança de conquistar metros, mas continuou permeável sobre os flancos, como atestou o cruzamento na esquerda de Nuno Santos aos 33 minutos, desviado ao lado por Piazón.

Com uma exibição consistente, potenciada por uma pressão asfixiante, o Rio Ave anulou por completo as investidas dos anfitriões até ao intervalo, tirando um remate de longe de Zidane Banjaqui em cima dos 45 minutos, que obrigou Kieszek a aplicar-se.

O reatamento devolveu maior esclarecimento aos homens da Vila das Aves, tendo Banjaqui executado um remate enrolado por cima aos 47 minutos, para Welinton proporcionar nova intervenção apertada ao guarda-redes rioavista na jogada seguinte.

Só que, a melhor fase do emblema de Santo Tirso virou arraso um minuto depois, com o defesa Bruno Morais de novo em evidência pela negativa, ao abordar o cruzamento rasteiro de Nuno Santos com um desvio infeliz na direção da própria baliza.

Os pupilos de Nuno Manta Santos acusaram a desvantagem mais pronunciada e diminuíram a expectativa em reentrar na discussão com o avanço do cronómetro, apesar do ataque reforçado com as entradas de Marius, Rúben Macedo e Dialló.

Confortável na gestão do jogo, a formação de Carlos Carvalhal aproveitou a passividade alheia para recuperar alguma pujança no último terço, aquecendo as luvas de Beunardeau pelos pés de Taremi, Diego Lopes e Nuno Santos à entrada para o quarto de hora final.

Lances que escancararam o terceiro festejo do Rio Ave, aos 76 minutos, premiando um cabeceamento em antecipação do capitão Tarantini, após canto de Filipe Augusto, que solidificou a primeira vitória vilacondense em reduto avense para o campeonato.

Nos descontos, Bruno Morais derrubou Gelson Dala, concedeu mais um castigo máximo e foi expulso por acumulação de amarelos, acentuando uma noite de pesadelo que terminou com um pontapé certeiro de Diego Lopes.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Na Primeira Página

Pode gostar de ler