loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Mercados acionistas norte-americanos encerram em queda de mais de 2,5%

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

Os mercados acionistas norte-americanos encerraram hoje em queda de mais de 2,5%, arrastados pelos resultados trimestrais de empresas e pelas declarações do Presidente norte-americano, Donald Trump, sobre as tarifas aos produtos chineses.
Mercados acionistas norte-americanos encerram em queda de mais de 2,5%

O índice industrial Dow Jones recuou 2,55% para 23.723,69 pontos e o tecnológico Nasdaq recuou 3,20% para 8.604,95 pontos.

Também o índice alargado S&P500, que representa as 500 maiores empresas de Wall Street, acompanhou a tendência negativa e cedeu 2,81% para 2.839,71 pontos.

Wall Street inverteu hoje a tendência de quinta-feira, quando encerrou em forte alta, com os investidores encorajados com os resultados de um teste de tratamento contra o coronavirus desenvolvido pela Gilead Sciences e o apoio continuado do banco central norte-americano.

Esta queda acentuada acontece depois de, na quinta-feira, Donald Trump ter ameaçado impor novas tarifas sobre a importações provenientes da China, em resposta à pandemia da covid-19, que para o Presidente dos Estados Unidos, é culpa de Pequima.

Em resposta a uma pergunta sobre se Trump planeava cancelar parte das suas obrigações de dívida com o Governo chinês, o Presidente norte-americano ameaçou: "Podemos fazer isso com tarifas ou de outras formas".

Donald Trump afirmou que a China podia ter contido a covid-19, mas deixou que a doença se propagasse, assegurando ter visto provas de que o vírus foi criado num laboratório de Wuhan, cidade do centro da China onde o novo coronavírus foi detetado, no final de dezembro.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página