loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Líder do CDS-PP considera «extemporâneo e até insultuoso» discutir agora presidenciais

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

O líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, considerou hoje que discutir agora as eleições presidenciais é «extemporâneo e até insultuoso», e recusou apontar um calendário para o partido debater o assunto.
Líder do CDS-PP considera «extemporâneo e até insultuoso» discutir agora presidenciais

No final de uma visita a uma pastelaria emblemática de Odivelas (Lisboa), e questionado também sobre o regresso do ex-líder do CDS-PP Manuel Monteiro ao partido, Francisco Rodrigues dos Santos salientou que o caminho deve ser "alargar e não estreitar".

"Quem quer conquistar o futuro tem de saber somar o passado e não excluir ninguém: procurarei que o CDS tenha respeito integral pela sua história e que ninguém se sinta a mais", afirmou.

Questionado se Manuel Monteiro seria um bom candidato do CDS-PP às presidenciais de janeiro, o líder democrata-cristão recusou, uma vez mais, debater esse tema.

"O CDS não é um partido alheado da realidade, mas confesso que consideramos esta discussão absolutamente extemporânea e até insultuosa", afirmou, considerando que a prioridade de ser o combate às consequências da pandemia de covid-19.

Rodrigues dos Santos acrescentou que esta matéria entrou na agenda política como "um escape que o primeiro-ministro encontrou para desviar as atenções de uma cisão que criou no seu próprio Governo", referindo-se à polémica com o ministro das Finanças, Mário Centeno.

"E nessas manobras dilatórias não caímos, a nossa prioridade é o plano de emergência social e o relançamento da economia", disse, considerando que os militantes do CDS-PP não compreenderiam que o seu presidente estivesse mais preocupado com "a cadeira" de Belém.

O líder do CDS-PP nem sequer quis adiantar um calendário para o partido debater o tema, dizendo apenas que "a estratégia das presidenciais será definida a seu tempo".

Questionado se o líder do CDS-PP está mais afastado do atual chefe de Estado do que a sua antecessora - Marcelo Rebelo de Sousa almoça hoje com o presidente do PSD, Rui Rio, e passa a tarde com o primeiro-ministro, em Ovar -, Francisco Rodrigues dos Santos recordou a promessa que fez no Congresso em que foi eleito.

"Eu disse que o meu escritório seriam as ruas de Portugal, é ao lado dos portugueses que quero estar", assegurou.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página