loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Gil Vicente: Câmara de Barcelos aprova construção da segunda fase do estádio

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

A construção da segunda fase do Estádio Cidade de Barcelos, onde joga o Gil Vicente, foi aprovada em 15 de maio pela Câmara Municipal de Barcelos, anunciou o nono classificado da I Liga de futebol.
Gil Vicente: Câmara de Barcelos aprova construção da segunda fase do estádio

“O Gil Vicente agradece à Câmara Municipal de Barcelos pela sensibilidade e visão de futuro para estes projetos, que vêm engrandecer o nome de Barcelos. Será um grande orgulho para os sócios e simpatizantes do Gil Vicente e para todos os barcelenses espalhados pelo mundo”, lê-se numa nota publicada nas redes sociais dos minhotos.

A empreitada contempla dois novos campos de treinos, um de relva natural e outro com piso sintético, a norte do recinto dos ‘galos’, acompanhados por uma bancada, num investimento que ronda os 1,9 milhões de euros e tem conclusão prevista entre o final de 2020 e o início de 2021, conforme explicou à agência Lusa fonte dos gilistas.

“Na reunião de Câmara foi aprovada a revisão do projeto de execução da construção de campos de treino no Complexo Desportivo de Barcelos, com o valor base de 1.844.448,98€, acrescido de IVA [Imposto sobre o Valor Acrescentado], e ordenada a elaboração das peças do procedimento de concurso público”, refere o executivo liderado pelo socialista Miguel Costa Gomes, em comunicado no sítio oficial na Internet.

Aproveitando os balneários, o posto médico e a rouparia existentes na estrutura da bancada norte do Estádio Cidade de Barcelos, que costuma albergar os adeptos das equipas visitantes, o Gil Vicente pretende reunir nos terrenos cedidos pela autarquia os trabalhos da equipa profissional masculina, da formação feminina e dos escalões jovens.

Incluindo no Complexo Desportivo de Barcelos, o recinto minhoto foi edificado pela edilidade na freguesia de Vila Boa e abriu em 30 de maio de 2004, com capacidade para 12.000 espetadores, tendo substituído o citadino Estádio Adelino Ribeiro Novo e sido escolhido como um dos seis palcos nacionais a receber o Europeu sub-21 de 2006.

Numa temporada​​​​​​ marcada pelo regresso ao principal escalão do futebol luso, após uma reintegração administrativa a partir do Campeonato de Portugal, na sequência do ‘caso Mateus’, os 'galos' ocupam a nona posição à entrada para as 10 jornadas finais, com os mesmos 30 pontos de Moreirense e Santa Clara, 14 acima da zona de descida.

Após duas baterias de testes negativos à covid-19, intercaladas com outras tantas semanas de trabalho individualizado em três relvados do concelho de Barcelos, o plantel gilista avançou na segunda-feira para treinos coletivos, repartido em três grupos que evoluíram nos tapetes dos estádios Cidade de Barcelos e Adelino Ribeiro Novo.

Alojado no primeiro patamar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, o Estádio Cidade de Barcelos recebeu ‘luz verde’ na quinta-feira para albergar a retoma do campeonato, agendada para 03 de junho, após indicações das autoridades regionais de saúde relacionadas com o reforço da sinalização das medidas de segurança.

Os minhotos vedaram ainda a passagem para uma sala próxima da zona técnica, de forma a poderem receber em Barcelos o Famalicão (26.ª jornada, em 09 de junho), o lanterna-vermelha Desportivo das Aves (28.ª, no dia 21), o Rio Ave (30.ª, em 05 de julho), o Tondela (32.ª, no dia 14) e o Paços de Ferreira (34.ª e última ronda, no dia 26).

O recinto do Gil Vicente também vai acolher os cinco jogos caseiros dos famalicenses, cujo reduto está alocado no patamar 3 da Liga de clubes, após a Direção-Geral da Saúde ter sugerido o regresso dos jogos “no menor número possível de estádios”.

No plano de desconfinamento face à pandemia de covid-19, o Governo autorizou a realização à porta fechada dos 90 jogos da I Liga, suspensa desde 12 de março e liderada pelo FC Porto, com um ponto de vantagem sobre o campeão Benfica, e da final da Taça de Portugal, entre ‘dragões’ e ‘águias’, tendo excluído a continuidade da II Liga.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página