loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

Gil Vicente aprova por unanimidade orçamento de 5,5 milhões de euros para 2020/21

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

Os sócios do Gil Vicente aprovaram hoje por unanimidade um orçamento de 5,5 milhões de euros para a próxima temporada, em Assembleia-Geral realizada no estádio do 11.º classificado da I Liga de futebol.
Gil Vicente aprova por unanimidade orçamento de 5,5 milhões de euros para 2020/21

“O orçamento não nos dá garantia de sucesso desportivo. Se fosse pelos números, tínhamos feito a vontade de quase todos aqueles que nos apontavam como o primeiro clube a descer. Só que ninguém tem um orçamento como o Gil Vicente na I Liga”, enquadrou o presidente Francisco Dias da Silva, à margem da reunião magna.

Cerca de 50 associados votaram favoravelmente a proposta de receitas e despesas elaborado pela direção do clube para a época 2020/21, bem como o orçamento da Sociedade Desportiva Unipessoal por Quotas (SDUQ), que aumentou cerca de um milhão e meio de euros devido a “custos de vária ordem, que serão compensados”.

“Os estragos que a pandemia trouxe são grandes e nem sabemos se haverá assistência no início da próxima época. A verdadeira reação vai ser terminar esta época, preparar a próxima e ir para a rua trabalhar. Aí é que vamos sentir verdadeiramente quem está na disposição de continuar a apoiar e a investir e quem é que pode desistir”, analisou.

Francisco Dias da Silva foi reconduzido em 18 de junho na presidência dos minhotos rumo ao triénio 2020-2023, em plena reta final de uma temporada marcada pela construção de um plantel de raiz para assinalar o regresso administrativo do Gil Vicente à I Liga, após um ano sem competir no Campeonato de Portugal, na sequência do ‘caso Mateus’.

“Isto é muito simples: procurar dar continuidade ao que fizemos bem e corrigir o que fizemos mal. Ainda temos de fazer essa análise, mas não duvido que não fizemos tudo bem. Se algum sócio se sentir prejudicado por não ter podido assistir aos jogos, o clube terá de ressarcir essas pessoas com maior ou menor dificuldade”, assegurou.

O dirigente, de 71 anos, recusou revelar o substituto de Vítor Oliveira, que anunciou em 30 de junho a saída do comando técnico do emblema de Barcelos no final da temporada, um dia antes de questionar a “legitimidade” da direção em “tornar público” a sua sucessão, alegando que “isso provoca sempre alguma instabilidade no plantel”.

“O treinador que está neste momento no Gil Vicente é o Vítor Oliveira. Ainda falta muito para a próxima época e, francamente, não vi em nenhum lugar o clube a anunciar qualquer treinador. Se criou instabilidade? A mim não e a quem joga também acho que não. Retomámos mal, mas recuperámos e fomos para o nosso quase normal”, notou.

Os ‘galos’ ocupam o 11.º posto, com 36 pontos, nove acima da zona de despromoção, quando restam quatro jornadas e podem consumar a permanência na I Liga na sexta-feira, às 21:00, no Estádio D. Afonso Henriques, caso pontuem frente ao Vitória de Guimarães e o penúltimo Portimonense perca na véspera na deslocação ao Rio Ave.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página