loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

Vasco Seabra: «Estivemos melhores do ponto de vista ofensivo»

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

Após os primeiros jogos das competições nacionais e internacionais, quem está em melhor forma?

Declarações após o jogo Boavista-Belenenses SAD (0-0), da oitava jornada da I Liga portuguesa de futebol.
Vasco Seabra: «Estivemos melhores do ponto de vista ofensivo»

“Estivemos melhores do ponto de vista ofensivo. Tivemos maior fluidez e capacidade para dominar o jogo. A primeira parte foi relativamente equilibrada e as melhores oportunidades de golo foram nossas.

Na segunda parte, tivemos uma entrada muito forte. Os nossos primeiros 15/20 minutos foram muito bons, com várias chegadas à baliza, um envolvimento muito grande e uma transição defensiva forte, remetendo sempre o adversário ao seu meio-campo.

Seguiu-se um período com menos intensidade e ritmo. Baixámos a nossa produção, antes de terminar com uma avalanche maior. Ao todo, tivemos quatro ou cinco situações muito claras na cara do guarda-redes. Essa criação poderia e deveria ter dado frutos.

Temos procurado crescer a cada semana. Na semana passada [triunfo sobre o Vizela, por 1-0, na Taça de Portugal], não tivemos um jogo com tanta fluidez ofensiva, mas conseguimos crescer a esse nível. A equipa precisa dessa serenidade e confiança.

A confiança vai crescer com o aumento de vitórias e de pontos. No início, sofríamos muitos golos, mas agora estamos muito mais estáveis. Nos últimos quatro jogos, não sofremos golos em três. É importante manter a folha limpa para estabilizarmos na frente.

Não me deixa feliz termos criado tanto entrelinhas e não termos atacado ainda mais a profundidade. Deixa-me feliz a forma como nos desenvolvemos para gerar oportunidades. Queremos ter maior fluidez no próximo jogo para chegarmos mais vezes ao último terço.

Sinto em risco a vontade de deixar em risco os adversários. O treinador tem sempre o lugar em risco e isso nunca será uma preocupação. Estou focado em trabalhar todos os dias com muita força e garra, para que os jogadores mostrem raça e determinação”.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página