loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

Crónica: FC Porto voluntarioso impõe nulo ao City e segue para os oitavos da Champions

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

Após os primeiros jogos das competições nacionais e internacionais, quem está em melhor forma?

O FC Porto garantiu hoje o apuramento para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, depois de conseguir um empate, sem golos, frente ao Manchester City, em jogo da quinta jornada do grupo C da competição.
Crónica: FC Porto voluntarioso impõe nulo ao City e segue para os oitavos da Champions

Os ‘dragões' só precisavam de um ponto para passar, pela 12.ª na sua história, à fase a eliminar da prova, e apesar de terem sofrido, perante o ascendente do conjunto inglês que dispôs de várias oportunidades para marcar, seguraram com ‘unhas e dentes' o resultado, com o decisivo contributo do guarda-redes Marchesin.

Com este resultado, o FC está em segundo no grupo C, com 10 pontos, a três do líder Manchester City, que já estava qualificado para os oitavos, enquanto que Olympiacos e Marselha, seguem no terceiro e quarto lugar, respetivamente, depois de os franceses terem hoje vencido por 2-1.

Apesar de virem de três vitórias consecutivas na competição, os ‘azuis e brancos' entraram no desafio com dificuldades para suster o maior balanço ofensivo dos ingleses, que desde cedo se instalaram no meio campo contrário, pressionado o último reduto portista.

Ainda assim, os ‘dragões', com uma linha defensiva reforçada com três centrais - Mbemba, Diogo Leite e Sarr - iam conseguindo suster os ímpetos iniciais do ‘City', que apresentou um ‘onze' sem algumas das suas principais figuras, mas com os portugueses João Cancelo, Rúben Dias e Bernardo Silva nas escolhas iniciais.

À insistência ofensiva da formação de Manchester, o FC Porto tentava responder em contra-ataque, e já depois 17 minutos ter reclamado uma grande penalidade, após o guarda-redes Ederson ter abalroado Otávio, causou um primeiro calafrio na sequência de lançamento lateral, que Sarr quase emendou.

No entanto, o ‘sinal mais' do desafio pertencia aos britânicos, que percebendo que em jogadas corridas tinham dificuldades em abrir brechas na coesa defensiva portista, começaram a explorar o remate de longe, com Sterling, aos 37, a tentar a sorte, mas com o lateral Zaidu a afastar a bola em cima da linha de golo.

Com voluntarismo, e algum sofrimento, os ‘dragões' foram arrastando o nulo, mas ainda antes do intervalo, conseguiram deixar um alerta, num remate Sérgio Oliveira de longe, que saiu um pouco por cima.

O lance terá galvanizado o FC Porto para o regresso do descanso, surgindo então mais desinibido as explorar os contragolpes, e com o mesmo Sérgio Oliveira a protagonizar, de novo, um remate de longe, logo aos 51, desta feita para defesa de Ederson.

Apesar deste bom regresso dos ‘dragões', o Manchester City voltou a recuperar o controlo do desafio e a pautar-se, novamente, como o conjunto mais perigoso, mas apanhando pela frente o guarda-redes Marchesin em noite de particular inspiração.

À passagem da hora de jogo, o guardião argentino do FC Porto começou a brilhar, primeiro ao travar uma investida de Sterling, e, depois, aos 71 a protagonizar uma defesa por instinto num pontapé de bicicleta de Ferrán Torres.

Nesta fase final do desafio, os ‘dragões' sofriam, e embora não cedendo na sua organização defensiva, mostravam dificuldades para responder em contra-ataque, centrando as atenções em tapar os caminhos para a sua baliza, perante a constante pressão dos ingleses.

A equipa de Manchester, aos 80, ainda chegou a introduzir a bola na baliza portista, num cabeceamento do recém-entrado Gabriel Jesus, mas o tento acabaria anulado, pelo VAR, por fora de jogo de Bernardo Silva que tinha feito a assistência para o golo.

A decisão deu algum alento para o conjunto português aguentar a pressão final dos britânicos, que por Eric Garcia ainda teve duas boas oportunidades para desfeitear Marchesin, mas sem conseguir inverter o ‘saboroso' nulo para o FC Porto, que lhe abriu as portas dos oitavos de final da competição.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página