loading

"Falta explicar o que correu mal. Não foi pelos adeptos que o Benfica fracassou este ano"

O Benfica encerrou a temporada 2023/2024 apenas com a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira na bagagem, um feito que, embora significativo, não satisfez as elevadas expectativas dos exigentes adeptos benfiquistas.

"Falta explicar o que correu mal. Não foi pelos adeptos que o Benfica fracassou este ano"
Benfica

"Falta explicar aos sócios do Benfica quem é que foi responsável pelo fracasso da última época", comentou o antigo candidato à presidência do clube Noronha Lopes.

O plantel encarnado, reforçado no início da época com nomes de peso como Ángel Di María e Orkun Kökçü, mostrou-se inconsistente ao longo da temporada, culminando numa campanha aquém das expectativas e, face a isto, o descontentamento dos adeptos tornou-se palpável, manifestando-se em críticas severas e na exigência de mudanças.

Num cenário de pressão e descontentamento, Rui Costa, presidente do Benfica, optou por ir contra a vontade da maioria dos adeptos e decidiu manter Roger Schmidt no comando técnico para a próxima época.

Numa recente entrevista, realizada no Benfica Campus e que serviu para fazer um balanço da época, Rui Costa explicou a sua decisão, destacando a confiança no treinador alemão para levar o Benfica a novas conquistas.

"Acreditamos que Roger Schmidt tem o que é preciso para nos levar a novos títulos. A estabilidade é crucial para o nosso projeto", afirmou Rui Costa aos jornalistas.

No entanto, nem todos compartilham deste otimismo. João Noronha Lopes, antigo candidato à presidência do Benfica, expressou críticas contundentes à gestão da última época.

"É uma decisão do presidente e tem toda a legitimidade para a tomar, mas não concordo"

Em declarações à Antena 1, o conhecido sócio das águias, pediu mais transparência e responsabilidade por parte da direção encabeçada por Rui Costa, tendo ainda clamado por uma explicação mais completa por parte do líder encarnado sobre uma época em que a equipa lisboeta falhou praticamente todos os títulos em disputa.

"Falta explicar aos sócios do Benfica quem é que foi responsável pelo fracasso da última época, o que é que correu mal, que lições é que se aprenderam e, principalmente, o que é que nós vamos fazer de diferente para o ano que vem", começou por frisar Noronha Lopes.

Face à continuidade de Roger Schmidt como 'navegador da nau' encarnada, o sócio do clube lisboeta não escondeu a sua deceção com a decisão tomada por Rui Costa, observando que, caso fosse ele o presidente do Benfica, o técnico germânico teria a sua saída da Luz confirmada.

"Um treinador que neste momento revelou deficiências na gestão do plantel e na relação com os sócios. Mais uma vez, não concordo com essa decisão", defendeu Lopes, citado pelo jornal 'Bancada.pt'.

No entanto, o antigo candidato à 'cadeira de sonho' da Luz reconheceu a legitimidade da decisão tomada por Rui Costa, indo em direção contrária à vontade do 'Tribunal da Luz', esperando que esta traga bons resultados no futuro.

"É uma decisão do presidente e tem toda a legitimidade para a tomar. Os benfiquistas esperam que essa decisão possa trazer bons frutos e que no futuro voltemos a ser campeões", destacou.

Fora a insatisfação visível com a continuidade do técnico germânico em solo português, a temporada foi avaliada de forma bastante crítica por Noronha Lopes, que destacou que no Benfica, ficar em segundo lugar do campeonato nunca pode ser visto como algo positivo.

"A época do Benfica foi má", lamentou o sócio encarnado, antes de descartar qualquer responsabilidades dos adeptos numa temporada que terminou apenas com a conquista da Supertaça.

"Não foi pelos adeptos que o Benfica fracassou este ano. Se há uma coisa que leva as equipas para a frente, nas alturas boas e nas más, são os adeptos. Portanto, não foram certamente os adeptos os responsáveis pela época que passou", rematou João Noronha Lopes.

Siga-nos no Facebook, no Twitter, no Instagram e no Youtube.

Relacionadas

Para si

Na Primeira Página

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

Até onde chega Portugal no Europeu 2024?