loading

V. Guimarães critica subcomissário da PSP por realçar «violência» dos adeptos

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Facebook

Outras Notícias

Sondagem

Qual o adversário mais acessível para o FC Porto nos oitavos-de-final da Champions?

O Vitória de Guimarães criticou hoje o subcomissário da PSP Filipe Silva por ter referido que os adeptos do clube da I Liga portuguesa de futebol são "violentos" em algumas situações, durante o julgamento em que é arguido.
V. Guimarães critica subcomissário da PSP por realçar «violência» dos adeptos

A sessão de hoje marcou o início do julgamento que trata das agressões a dois adeptos do Benfica, no exterior do Estádio D. Afonso Henriques, antes do jogo entre as 'águias' e o Vitória de Guimarães, em 17 de maio de 2015, que terminou 0-0 e deu o 34.º título ao clube da Luz.

Nesta sessão, o subcomissário alegou que os adeptos vitorianos são "mais violentos quando descamba para a violência", por serem "mais bairristas" do que os restantes, com o clube a repudiar as declarações.

"Foram por ele proferidas, na sua defesa, afirmações graves acerca dos nossos adeptos, amplamente divulgadas por toda a comunicação social, que a direção do Vitória Sport Clube não pode deixar de repudiar", refere a nota publicada no sítio oficial dos minhotos.

O emblema vimaranense acrescentou que, apesar de não ser parte do processo, nem os cidadãos envolvidos no caso que envolveu o responsável da PSP serem adeptos do clube, as declarações "põem em causa toda a comunidade vimaranense e vitoriana, rotulando-a e estigmatizando-a de forma censurável", lembrando que os seus adeptos são o "principal património do clube".

O clube minhoto comentou ainda o facto de Filipe Silva ter dito que os vitorianos são "um caso de estudo académico", realçando que isso tem "sido demonstrado nas inúmeras manifestações de apoio", reconhecidas "no panorama desportivo nacional e internacional".

Além de ser arguido por "dois crimes de ofensa à integridade física qualificada", o subcomissário da PSP responde ainda por dois crimes de falsificação de documento e dois crimes de denegação de justiça e prevaricação, por alegadamente ter feito constar dados falsos no auto de notícia que elaborou.

Siga-nos no Facebook, no Google+ e no Twitter.

Relacionadas

Comentários

Na Primeira Página

Pode gostar de ler