loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Crónica: 'Alma' do Rangers vira jogo e quebra invencibilidade do Braga

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

Acha que Rúben Amorim é o homem certo para treinar a equipa do Sporting?

O Rangers venceu hoje o Sporting de Braga por 3-2, depois de ter estado a perder por 2-0, e parte para a segunda mão dos 16 avos de final da Liga Europa de futebol em vantagem.
Crónica: 'Alma' do Rangers vira jogo e quebra invencibilidade do Braga

Num grande jogo de futebol, os escoceses fizeram valer a sua grande 'alma' para dar a volta a um jogo que os bracarenses comandavam com todo o merecimento, graças a uma hora de jogo de grande nível e aos golos de Fransérgio (11 minutos) e Abel Ruiz (59).

Contudo, um certo relaxamento permitiu ao Rangers reduzir por Hagi (67) e, a partir daí, a equipa de Steven Gerard empurrou o Braga para a sua área, vindo a consumar a 'cambalhota' no marcador por Aribo (75) e novamente por Hagi, a meias com Palhinha, em quem o livre do romeno, filho da antiga estrela Gheorghe Hagi, que passou por Real Madrid e Barcelona, embateu antes de 'trair' Matheus (82).

Os minhotos não conseguiram prolongar o recorde de invencibilidade nas competições europeias de uma equipa portuguesa (13 jogos) e, ao 10.º jogo de Rúben Amorim, que hoje se estreou na 'Europa', conheceram o 'sabor' da derrota, o que já não acontecia há mais de dois meses (2-1, com o Benfica, na Taça de Portugal, em 18 de dezembro de 2019).

Abel Ruiz foi a surpresa na equipa bracarense, que entrou muito personalizada e criou duas boas oportunidades muito cedo: na primeira, Raul Silva, após livre de Sequeira, cabeceou para defesa de McGregor, com Wallace e Bruno Viana a falharem a recarga fatal (04) e, dois minutos depois, Trincão, após combinar com Abel Ruiz, rematou ligeiramente ao lado.

Wallace saiu lesionado aos 10 minutos e, sem nenhum central no banco, Rúben Amorim apostou em Galeno, colocando Esgaio como terceiro defesa, fechando à direita.

Mas foi entre a saída do central e a entrada do extremo que o Braga se adiantou no marcador, fruto de uma grande pressão sobre o adversário, mesmo com menos uma unidade.

Fransérgio libertou-se da pressão de Arfield e, de muito longe, desferiu um potente e colocado remate, fazendo um grande golo e colocando os minhotos em vantagem (11).

O Rangers teve em Morales o maior perigo, mas o avançado colombiano não conseguiu ultrapassar Matheus em duas claras ocasiões (25 e 30).

Trincão esteve em grande nível, mas foi perdulário, sobretudo aos 39 minutos, quando fez a bola rasar o poste da baliza adversária.

No reinício, Fransérgio esteve muito perto de 'bisar', mas o remate, agora de pé esquerdo, embateu na barra (51).

Num jogo de parada e resposta, Matheus evitou novo golo a Morales, este quase sobre a linha de baliza (56) e, três minutos depois, Trincão, de calcanhar, serviu Abel Ruiz, que, fletindo no terreno, rematou ainda de fora da área fazendo o 2-0.

O terceiro esteve quase a acontecer, após rápido contra-ataque dos minhotos, mas Palhinha permitiu a defesa a McGregor (61).

A superioridade técnica da equipa portuguesa era evidente, mas o futebol tem outras vertentes e o Rangers fez uso delas. Hagi reduziu e a aposta em Ricardo Horta não teve qualquer efeito, porque o Rangers era todo ele crença, como quando Aribo iludiu cinco jogadores do Braga no lance do 2-2.

A reviravolta materializou-se aos 82 minutos, com Hagi a ter a sorte do seu lado na conversão de um livre direto.

Os escoceses partem em vantagem para a segunda mão, na próxima quarta-feira, em Braga, mas a equipa minhota mostrou mais que argumentos para seguir em frente.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página