loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

Covid-19: Itália com número mais baixo de mortes diárias desde fim de fevereiro

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

A Itália registou seis mortes com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, o número mais baixo desde 28 de fevereiro, no início da pandemia de covid-19, tendo agora um total de 34.744 óbitos, segundo a Proteção Civil italiana.
Covid-19: Itália com número mais baixo de mortes diárias desde fim de fevereiro

Nas últimas 24 horas foram igualmente registadas 126 novas infeções com o novo coronavírus, perfazendo um número total de casos em Itália de 240.436.

Cerca de metade dos novos casos, 78, foram detetados na região da Lombardia, no norte do país, a mais afetada pela pandemia.

Contudo, das seis mortes, apenas uma foi registada na Lombardia, tendo as demais ocorrido no Piemonte (duas), Emília-Romagna (duas) e uma na região da Toscana.

O número de doentes em cuidados intensivos continua a diminuir, havendo agora apenas 96 em toda a Itália.

As autoridades continuam a acompanhar de perto alguns focos que têm surgido nos últimos dias, mas consideram que a situação da pandemia está controlada na maioria do território.

Ainda assim, a Lombardia prolongou por mais duas semanas, até 14 de julho, o uso obrigatório de máscara, mesmo em locais abertos, como medida de precaução, de acordo com o presidente da região, Attilio Fontana.

“Embora a máscara incomode, especialmente no calor de julho, o seu uso terá que continuar até 14 de julho”, escreveu Fontana na sua página da rede social Facebook.

“Está quente, muito quente, mas a opinião dos virologistas é de manter ainda as precauções anti-contágio, começando com o uso da máscara”, concluiu o governador da Lombardia.

Por sua vez, o conselheiro regional de Saúde, Giulio Gallera, alertou para a permanência dos riscos.

“O vírus está aí. Será diferente, será menos perigoso, mas está aí. Não devemos abandonar a ideia de que a nossa normalidade deve ser uma normalidade diferente. A máscara, que é um sacrifício hoje, é importante”, aconselha Galera, prometendo avaliar o seu abandono no final de julho.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 501 mil mortos e infetou mais de 10,16 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página