loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

Covid-19: Irão ultrapassa as 11 mil mortes

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

O Irão contabilizou 148 novos óbitos associados à doença covid-19 nas últimas 24 horas, com o país a ultrapassar as 11 mil vítimas mortais registadas no decorrer da atual pandemia, divulgaram hoje as autoridades iranianas.
Covid-19: Irão ultrapassa as 11 mil mortes

“Nas últimas 24 horas, perdemos 148 dos nossos compatriotas infetados” pelo novo coronavírus, anunciou a porta-voz do Ministério da Saúde iraniano, Sima Sadat Lari, em declarações transmitidas pela televisão estatal.

Com a contabilização destes óbitos, o número total de vítimas mortais na República Islâmica por causa da doença covid-19 eleva-se para 11.106.

A mesma fonte informou que foram diagnosticados, igualmente nas últimas 24 horas, 2.652 novos infetados com o coronavírus (SARS-CoV-2), com o Irão, um dos países do Médio Oriente mais afetados pela pandemia, a totalizar, até à data, 232.863 casos da covid-19.

"Infelizmente, o número de hospitalizações [relacionadas com a doença] está a aumentar na maioria das províncias do país", acrescentou a porta-voz.

O Irão, que divulgou os primeiros casos da doença covid-19 em fevereiro, apresentava até o início de maio um decréscimo significativo nos números diários de vítimas mortais e de novos contágios.

Mas, nas últimas semanas, o país voltou a ser confrontado com um novo aumento dos óbitos, aumentando os receios de uma possível segunda vaga epidémica.

Desde que o novo coronavírus foi detetado na China, em dezembro do ano passado, a pandemia da doença covid-19 já provocou mais de 516 mil mortos e infetou mais de 10,71 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço mais recente feito pela agência France-Presse (AFP).

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página