loading

Football Leaks: Tribunal rejeita nova perícia ao material informático de Rui Pinto

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

Após os primeiros jogos das competições nacionais e internacionais, quem está em melhor forma?

O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa rejeitou a realização de nova perícia ao material informático apreendido a Rui Pinto, pedida pelo arguido do processo Football Leaks, segundo um despacho proferido hoje, a que a Lusa teve acesso.
Football Leaks: Tribunal rejeita nova perícia ao material informático de Rui Pinto

“(...) Entende o tribunal que a realização da perícia requerida pelo arguido Rui Pedro Gonçalves Pinto não se afigura útil, uma vez que a análise que iria ser efetuada incidiria sempre sobre as mesmas imagens/conteúdo já analisadas pela PJ, vertido no relatório digital junto aos autos”, indica o despacho.

No requerimento apresentado ao coletivo de juízes que está a julgar o processo, a defesa de Rui Pinto suscitou “a eventual quebra da genuinidade do material analisado” pela Polícia Judiciária (PJ), mas o tribunal não encontrou “qualquer utilidade/interesse para a descoberta da verdade material na realização de nova perícia”.

“Da informação coligida nos presentes autos não há evidências de que a perícia efetuada pela PJ padeça de contradições, tenha partido de pressupostos de facto incorretos ou tenha sido realizada sem observação das melhores práticas técnicas”, refere o despacho.

Rui Pinto, de 31 anos, responde por um total de 90 crimes: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Procuradoria-Geral da República (PGR), e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão, na forma tentada. Este último crime diz respeito à Doyen e foi o que levou também à pronúncia do advogado Aníbal Pinto.

O criador do Football Leaks encontra-se em liberdade desde 07 de agosto, “devido à sua colaboração” com a PJ e ao seu “sentido crítico”, mas está, por questões de segurança, inserido no programa de proteção de testemunhas em local não revelado e sob proteção policial.

Siga-nos no Facebook, no Twitter, no Instagram e no Youtube.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página