loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

Bruno Lage: «Fizemos, em termos ofensivos, tudo o que tínhamos para fazer»

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

Declarações de à ‘flash interview’ da Sport TV após a vitória do FC Porto na receção ao Benfica (3-2), em jogo da 20.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.
Bruno Lage: «Fizemos, em termos ofensivos, tudo o que tínhamos para fazer»

“Vínhamos com o objetivo de vencer. Foi pena. Fizemos, em termos ofensivos, tudo o que tínhamos para fazer, e acreditámos sempre.

Após o primeiro golo, a equipa parte para uma exibição muito boa, chega com muita qualidade ao segundo golo. O terceiro golo [do FC Porto], por muito que preparemos, sabemos do poderio do Marega a atacar a profundidade, a bola entrou lá e criou-se a oportunidade.

Na segunda parte, entrámos com personalidade. Tínhamos de colocar o jogo num ritmo muito alto, sem medo de ter bola, circular na largura, fizemos logo o 3-2 e depois, em função do que foi o resultado, podíamos ter feito mais um golo. Há uma oportunidade do Seferovic, um remate do Chiquinho.

Creio que fomos várias vezes aos corredores, tendo depois gente entre os defesas, a procurar a profundidade, e depois procurar cruzar. O FC Porto defende muito bem e tinha de ser este tipo de cruzamentos, por trás ou pela frente da linha defensiva. Sentíamos que a pressão ia ser alta, e por isso tínhamos de circular muito, procurar o jogo por fora e a profundidade. Foi o que tentámos fazer. Em termos ofensivos, a equipa esteve muito bem, fez o que se pediu e idealizou para o jogo. Em termos defensivos, a forma como sofremos os golos, penaliza-nos no resultado.

(Sobre a saída de André Almeida) Foi fazer entrar três homens para a frente, deixando o Rafa mais 'vagabundo' para a segunda bola e jogar entrelinhas. Acho que a equipa fez o que pretendíamos, e deu boa resposta e frescura física enorme. É olhar para o resultado, que é pena, porque fizemos de tudo para ganhar, era a nossa motivação. Saímos daqui com quatro pontos de vantagem.

(Sobre a vantagem na frente do campeonato) Estou há 13 meses à frente da equipa principal do Benfica. O estado de alerta é sempre máximo. Nunca relaxamos. A nossa motivação é vencer jogos. É com esse estado de alerta que vamos a Famalicão, jogar bem e atingir a final da Taça de Portugal”.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página