loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

Covid-19: Manchester City dispensa 'lay-off' que cinco clubes ingleses usaram

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

O Manchester City garantiu hoje que vai prescindir do recurso ao ‘lay-off’, ao contrário do que fizeram cinco clubes de futebol ingleses, face às consequências económicas da pandemia da covid-19.
Covid-19: Manchester City dispensa 'lay-off' que cinco clubes ingleses usaram

“Podemos confirmar, após uma decisão do presidente e do conselho de administração na semana passada, que o Manchester City não usará esse programa do governo, que foi criado por causa do coronavírus", assegura o clube.

O campeão da Europa em título e líder isolado da Liga inglesa, o Liverpool, bem como o Tottenham, de José Mourinho, o Newcastle, o Norwich e o Bournemouth anunciaram nos últimos dias que colocaram em ‘lay-off’ os seus funcionários, excetuando os futebolistas.

Nas medidas implementadas, o governo paga 80% dos salários até um teto máximo de 2.500 libras (cerca de 2.840 euros) por mês, com o clube a complementar o remanescente para um salário pago na sua totalidade.

O uso deste instrumento por parte de alguns clubes de elite ricos, como Liverpool, que anunciou em fevereiro lucros antes dos impostos de 47 milhões de euros na época 2018/19, motivou duras críticas, incluindo dos seus antigos jogadores Jamie Carragher e Stan Collymore.

A antiga glória do futebol inglês Gary Lineker foi especialmente crítico, dizendo que os clubes deveriam ajudar prioritariamente os seus funcionários, uma vez que os futebolistas já ganham “muito dinheiro”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 65 mil. Dos casos de infeção, mais de 233 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de mais de 642 mil infetados e mais de 47 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página