loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

UEFA satisfeita com organização e desenrolar da Supertaça Europeia

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

A UEFA manifestou hoje satisfação com a organização da Supertaça Europeia de futebol, o primeiro jogo sob a égide do organismo que contou com público nas bancadas, desde que em março a pandemia de covid-19 interrompeu as competições.
UEFA satisfeita com organização e desenrolar da Supertaça Europeia

Em declarações à agência EFE, uma fonte da UEFA afirmou que "a organização do jogo decorreu sem problemas" e que "os espetadores presentes aceitaram as medidas preventivas e seguiram as instruções sanitárias" que lhes foram transmitidas pelos assistentes de recinto desportivo (ARD).

Na quinta-feira, a partida em que o Bayern de Munique venceu por 2-1 o Sevilha, após prolongamento, decorreu na Arena Puskas, em Budapeste, na Hungria, tendo sido a primeira à porta aberta, desde que as competições da UEFA foram interrompidas em março.

A mesma fonte referiu à EFE que "ficou demonstrado que os adeptos são a alma do jogo e que o futebol é grande graças à paixão e apoio dos mesmos".

O encontro de Budapeste serviu de ‘balão de ensaio' da UEFA para o regresso do público aos estádios, sendo que a capacidade da Arena Puskas estava limitada a 30%.

Ainda assim, milhares de bilhetes destinados aos adeptos da equipa espanhola ficaram por vender e perto de metade dos alemães que compraram ingresso recusaram viajar para a Hungria, preocupados com o aumento de casos de covid-19 na Europa.

A UEFA permitiu que cada um dos clubes pudesse ter até 3.000 adeptos, mas esses números não foram sequer atingidos. De resto, o Sevilha teve perto de 500 adeptos nas bancadas do recinto húngaro.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 984.068 mortos e cerca de 32,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página