loading

Quatro lusos nomeados para a Bola de Ouro na ausência do recordista Lionel Messi

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

Quem tem o melhor plantel para 'atacar' o título?

Os internacionais portugueses Cristiano Ronaldo, Bernardo Silva, João Cancelo e Rafael Leão integraram hoje a lista dos 30 nomeados para a Bola de Ouro 2022, distinção da revista France Football para o melhor jogador da época.

Quatro lusos nomeados para a Bola de Ouro na ausência do recordista Lionel Messi

No lote estão ainda o colombiano Luis Díaz e o uruguaio Darwin Núñez, que jogaram no campeão nacional FC Porto e no Benfica em 2021/22, respetivamente, mas não Lionel Messi, atual detentor e recordista do prémio, que soma a primeira ausência desde 2005.

Depois de ter culminado a época de estreia pelo campeão francês Paris Saint-Germain com 11 golos e 15 assistências em 34 jogos, o argentino, de 35 anos, falha uma 14.ª presença no pódio e o oitavo êxito, após 2009, 2010, 2011, 2012, 2015, 2019 e 2021.

Já Cristiano Ronaldo, que contou 24 tentos e três passes para golo em 38 partidas na temporada de regresso ao Manchester United, mas não logrou qualquer título coletivo, pode juntar um 13.º pódio à reedição das vitórias em 2008, 2013, 2014, 2016 e 2017.

Sexto classificado em 2021, ano em que ficou afastado do pódio pela primeira vez desde 2010, ‘CR7’, de 37 anos, elevou para 18 presenças seguidas o recorde de entradas nos finalistas da Bola de Ouro, que foi entregue em conjunto com a FIFA entre 2010 e 2015.

Além do avançado e ‘capitão’ da seleção nacional, foram também nomeados pela France Football o defesa João Cancelo e o médio Bernardo Silva, duas das principais figuras do rival citadino Manchester City na reconquista do título de campeão inglês em 2021/22.

O quarteto de portugueses eleitos pela revista gaulesa engloba ainda o dianteiro Rafael Leão, que foi considerado o melhor jogador da última edição da Série A, na qual fez 11 golos e 10 assistências, ajudando o AC Milan a sagrar-se campeão italiano 11 anos depois.

Desde a criação da Bola de Ouro, em 1956, foram distinguidos os portugueses Eusébio (1965, ao serviço do Benfica), Luís Figo (2000, com os espanhóis do Real Madrid) e Cristiano Ronaldo (uma nos ingleses do Manchester United e quatro pelo Real Madrid).

Portugal é uma das duas nações mais representadas este ano, com os mesmos quatro eleitos de França, contra três de Brasil e Inglaterra, numa tabela com 18 nacionalidades distintas, mas desfalcada de Argentina, Espanha ou Itália pela primeira vez desde 2004.

À imagem de edições anteriores, a maioria dos finalistas atua nas cinco principais Ligas europeias (Inglaterra, Espanha, Alemanha, Itália e França), tirando Luis Díaz e Darwin Núñez, que passaram pela I Liga portuguesa antes de rumarem à ‘Premier League’, e Sébastien Haller, que passou do tricampeão neerlandês Ajax para o Borussia Dortmund.

Entre os 30 nomeados do conceituado galardão, que foram divulgados ao final da tarde nas redes sociais da France Football, estão cinco campeões europeus pelo Real Madrid, tais como Casemiro, Karim Benzema, Luka Modrić, Thibaut Courtois e Vinícius Júnior.

Robert Lewandowski, recentemente transferido para o FC Barcelona, sobressai na lista como melhor marcador dos campeonatos nacionais do ‘Velho Continente’ em 2021/22, com 35 golos em 34 rondas da ‘Bundesliga’ pelo decacampeão alemão Bayern Munique.

Entre as principais ausências, Lionel Messi é acompanhado pelo brasileiro Neymar, seu companheiro de equipa no Paris Saint-Germain e terceiro melhor jogador mundial em 2015 e 2017, e o italiano Jorginho, do Chelsea, que completou o pódio no ano passado.

O sucessor do ‘astro’ argentino será conhecido na cerimónia da entrega da 66.ª Bola de Ouro, agendada para 17 de outubro, através da adoção de novos critérios de avaliação, que vão ineditamente passar a ter em conta a temporada desportiva em vez do ano civil.

Esse paradigma também vai incidir no galardão feminino, iniciado em 2018 e vencido em 2021 pela espanhola Alexia Putellas, uma das 20 finalistas anunciadas para 2022, a par de cinco campeãs continentais de clubes pelo Lyon e três de seleções com a Inglaterra.

A mesma durabilidade tem o Troféu Raymond Kopa, destinado ao melhor futebolista sub-21, no qual o defesa Nuno Mendes, que trocou o Sporting pelo Paris Saint-Germain, está designado pela segunda edição seguida, após o êxito do espanhol Pedri (FC Barcelona).

Sem representação nacional continua o Troféu Lev Yashin, que reconhece desde 2019 o melhor guarda-redes mundial e foi vencido em 2021 pelo italiano Gianluigi Donnarumma (Paris Saint-Germain), desta vez fora dos 10 eleitos, ao contrário do esloveno Jan Oblak (Atlético de Madrid) e do brasileiro Ederson (Manchester City), que jogaram em Portugal.

Siga-nos no Facebook, no Twitter, no Instagram e no Youtube.

Relacionadas

Na Primeira Página