loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Giovanni Trappatoni deverá orientar seleção do Vaticano

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Facebook

Outras Notícias

Sondagem

Quem tem o adversário mais acessível nas competições europeias?

O Vaticano vai realizar o sonho de ter a sua própria seleção de futebol e para os comandos da equipa elegeu um dos mais prestigiados e católicos treinadores italianos, Giovanni Trappatoni, campeão português com o Benfica em 2004/05.
Giovanni Trappatoni deverá orientar seleção do Vaticano

No entanto, o sonho do Vaticano irá durar somente um dia, já que se trata de um jogo particular contra a Guardia de Finanza (polícia financeira italiana) para recolha de fundos que se destinam à Caritas e às famílias dos agentes.

A seleção do Vaticano entrará em campo pela primeira vez a 23 de outubro, num centro desportivo de Roma, frente à equipa da polícia financeira que será também orientada por um ex selecionador italiano Roberto Donadoni.

Trata-se do primeiro passo para a futura criação de uma seleção de futebol com a bandeira do mais pequeno Estado do mundo.

A iniciativa é um dos sonhos do secretário de Estado do Vaticano, o cardeal Tarciso Bertone, um conhecido adepto e especialista no “desporto rei”, que nunca escondeu o desejo de a Santa Sé constituir a sua própria equipa de futebol.

A 23 de outubro vão vestir as cores branco e amarelo da Santa Sé uma seleção dos melhores jogadores da Clericus Cup, o campeonato onde, desde há três anos, jogam equipas formadas por religiosos e seminaristas.

O eleito para colocar a tática entre os jogadores foi Giovanni Trappatoni, atual selecionador da Irlanda, e que, como anuncia hoje o diário “Gazzetta dello Sport”, confirmará em breve a sua disponibilidade para sentar-se no banco nesse dia histórico.

De Trappatoni, católico fervoroso, pode recordar-se o fato de ter espalhado água benta no banco da seleção italiana no Mundial de 2002.

Siga-nos no Facebook, no Google+ e no Twitter.

Relacionadas

Comentários

Na Primeira Página

Pode gostar de ler