loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Crónica: Benfica perde na Ucrânia, mas sonha à custa de Vlachodimos e Pizzi

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

Acha que Rúben Amorim é o homem certo para treinar a equipa do Sporting?

O Benfica perdeu hoje 2-1 no reduto do Shakhtar Donetsk, na primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa em futebol, mantendo-se na corrida aos ‘oitavos’ à custa de Vlachodimos e de um penálti de Pizzi.
Crónica: Benfica perde na Ucrânia, mas sonha à custa de Vlachodimos e Pizzi

Numa fase da prova em que nunca havia perdido – oito vitórias e dois empates, para cinco apuramentos em cinco eliminatórias -, a formação da Luz ainda recuperou em Kharkiv de uma primeira desvantagem, mas um erro crasso de Rúben Dias ditou o desaire.

O brasileiro Alan Patrick, aos 56 minutos, e Kovalenko, aos 72, apontaram os golos do conjunto de Luís Castro, enquanto Pizzi marcou, aos 67, o seu 23.º golo da temporada, que pode vir a ter um peso determinante para o jogo de quinta-feira, na Luz.

Mas, para já, o Benfica está em desvantagem, após mais uma exibição que deixou muito a desejar, tanto na defesa como no ataque, para somar a terceira derrota em quatro jogos, com um empate pelo meio, em Famalicão, que valeu um lugar no Jamor.

Em Lisboa, os ‘encarnados’, salvos em várias ocasiões por Vlachodimos, terão de jogar muito mais, porque o Shakhtar, mesmo numa espécie de pré-temporada – não jogava um jogo oficial desde 14 de dezembro -, mostrou que tem vários desequilibradores na frente, como Taison, Marlos ou Júnior Moraes.

Em relação ao desaire caseiro com o Sporting de Braga (0-1, no sábado, para a I Liga), Bruno Lage procedeu a três alterações, com o castigado Weigl, Rafa e Vinícius a cederem os seus lugares a Florentino, Chiquinho e Seferovic.

O Benfica entrou, assim, com Tomás Tavares, Rúben Dias, Ferro e Grimaldo, à frente de Vlachodimos, dois médios centrais (Florentino e Taarabt), Chiquinho e Cervi nos extremos e Pizzi ao meio, nas costas do ponta de lança Seferovic.

O jogo começou com o Shakhtar mais tempo com a bola, mas a só rematar aos 13 minutos, por Taison, para, aos 20, Marlos marcar em contra-ataque, só que em fora de jogo, milimétrico, numa jogada iniciada num passe falhado de Florentino.

A jogada animou, ainda assim, os ucranianos, que acentuaram o domínio e assustaram por Kovalenko (24 minutos) e Júnior Morais (27), mas, rapidamente, o Benfica reequilibrou e, melhor na parte final da primeira parte, teve a primeira ocasião por Pizzi (44).

O ‘onze’ de Luís Castro começou melhor a segunda metade e criou várias oportunidades, com Vlachodimos a parar os remates de Júnior Morais (46 minutos) e Marlos (55) e, pelo meio (51), o poste esquerdo a ‘segurar’ o de Ismaily.

A insistência dos ucranianos acabou por dar frutos aos 56 minutos, numa jogada de envolvência entre Taison, Júnior Morais e Marlos, que tocou para o remate colocado de Alan Patrick, à entrada da área, sem hipóteses para o internacional grego.

O Benfica não demorou a reagir e conseguiu chegar ao golo, num penálti de Pizzi, aos 67 minutos, cinco depois de festejar o tento de Tomás Tavares, que o árbitro, após consultar as imagens, anulou, por fora de jogo, assinalando falta anterior sobre Cervi.

A igualdade não se aguentou, porém, muito tempo, pois, aos 72 minutos, Rúben Dias, em vez de atirar a bola para fora, facilitou e perdeu a bola para Marlos, que tocou para Júnior Morais oferecer o golo a Kovalenko. Vlachodimos nada podia fazer.

Na parte final, o Benfica ainda tentou chegar ao segundo golo, mas não conseguiu mais do que dois remates de Grimaldo, que o veterano Pyatov segurou, aos 75 e 79 minutos.

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página