loading

Nota: Caro visitante, o acesso à informação do nosso site é gratuita e de livre acesso. Tal só é possível exibindo anúncios a quem nos visita. Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios.

Covid-19

Covid-19: Portugal «não foi escolhido por acaso» para final de futebol – OMS

Últimas Notícias

Notícias Mais vistas

Sondagem

É justa a medida do Governo em autorizar o regresso I Liga e impedir a II Liga?

Portugal “não foi escolhido por acaso” para acolher a final da Liga dos Campeões de futebol, mas porque “foi um dos países que melhor lidou” com a covid-19, assinala um conselheiro da Organização Mundial da Saúde (OMS).
Covid-19: Portugal «não foi escolhido por acaso» para final de futebol – OMS

Em declarações à Lusa, a dias de participar numa iniciativa ibérica sobre o impacto da pandemia no setor do turismo, Maurizio Barbeschi, conselheiro do diretor executivo para as Emergências Sanitárias da OMS, diz que não conhece o dossiê que fundamentou a escolha de Portugal para acolher a final a oito da Liga dos Campeões de futebol, agendada para agosto. Porém, realça, tem a certeza de que Portugal “não foi escolhido por acaso”, mas porque “tem um sistema de saúde forte” e “foi um dos países que melhor lidou” com a pandemia, que já causou mais de 500 mil mortos e infetou mais de 12 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

“[Portugal] não foi escolhido pela qualidade das infraestruturas ou pela tradição futebolística, mas por tudo o que rodeia o campo de futebol”, que goza de “elevada consideração” internacional, destaca. “Se acrescentarmos o sistema público, a consciência do protocolo, as medidas de verificação e mitigação – tudo isso fundamentou a decisão de considerar que a escolha de Portugal era a que mais minimizava os riscos”, considera.

Maurizio Barbeschi, originário de Itália, um dos países mais afetados pela pandemia de covid-19, analisa que “a atuação, como se fosse uma harmónica, fez de Portugal uma história de sucesso no controlo da epidemia, porque se colocou o pensamento coletivo a combater a doença”.

Sobre o risco sanitário associado à realização da final de futebol, o conselheiro responde: “Não sei qual será a situação no final de agosto para todas as equipas que vão participar.”

Sendo certo que “a pandemia ainda estará presente” na Europa e em Portugal, também é verdade que as equipas finalistas “vão viajar com atenção especial” e “já estão a tomar medidas para minimizar os seus próprios riscos”, realça. “As equipas serão uma espécie de bolhas, movendo-se em simultâneo, em direção a Portugal, e isso é muito bom”, porque Portugal apresenta garantias, destaca.

Por outro lado, “os fãs não são bolhas”, reconhece. “Mas não sei que tipo de espectadores será permitido, se é que algum será permitido”, acrescenta.

Porém, acredita, se todas as medidas forem adotadas ao mesmo tempo – o processo de colocar o público no país, o transporte do público, a higienização das instalações, o distanciamento entre as pessoas, o rastreio e a identificação, a lavagem das mãos e das superfícies, o uso de máscaras – “será uma história de sucesso”.

E compara: “É a mesma coisa para o metropolitano. Não é o jogo de futebol que é problema, é a quantidade de tempo e a proximidade entre as pessoas.”

Um jogo de futebol “dura apenas alguns minutos, mas, na realidade, há uma festa de cinco dias para as cidades que o acolhem”, recorda. “Um jogo de futebol é também alegria, uma indústria, muitos empregos estão em risco”, frisa.

As agências de notícias de Portugal e Espanha, Lusa e Efe, vão debater o impacto da pandemia de covid-19 no Turismo, num fórum virtual conjunto, o EURAGORA, financiado pelo projeto-piloto europeu Stars4Media, que pretende apoiar a inovação no setor dos media, através da formação e da cooperação transfronteiriça dentro da União Europeia.

Os debates – que serão transmitidos nos dias 15 e 16 de julho, através de uma plataforma online conjunta e das redes sociais de ambas as agências – resultam de uma parceria inédita entre a Lusa e a Efe e juntarão organizações internacionais, comissários europeus, ministros e responsáveis regionais e locais dos dois países, e associações do setor do turismo e dos consumidores.

A abordagem ao tema assenta em dois grandes tópicos: “Segurança, o que esperam os consumidores, como respondem indústria, governos, União Europeia?” (dia 15 de julho, às 10h00 de Lisboa, aqui https://youtu.be/oXm5alG0mp4) e “Reinvenção e oportunidades: sol e praia/urbano e cultural/turismo rural” (dia 16 de julho, às 10h00 de Lisboa, aqui https://youtu.be/unA38PYTa5g).

Siga-nos no Facebook e no Twitter.

Relacionadas

Pode gostar de ler

Na Primeira Página